Carreira na Área de Soldagem – PARTE 3 – Final

0

Ricardo Ryuichi Takei ryuichi.takei@gmail.com
Prof. Luiz Gimenes Jr. gimenes@infosolda.com.br

Manutenção da certificação

A manutenção da certificação consiste em três etapas:

Etapa 1: o inspetor de soldagem deve, anualmente, efetuar o pagamento de uma taxa estabelecida pelo OCP e enviar o atestado de acuidade visual;

Etapa 2: antes de findo o prazo de 30 meses, contados a partir da data da certificação, o profissional deve encaminhar ao OCP (Organismo de Certificação Pessoal) o documento de comprovação de atuação estabelecido pelo OCP, que comprove a efetiva prestação de serviços profissionais como inspetor de soldagem, no nível para o qual foi certificado, por um período de 15 meses consecutivos ou não;

Etapa 3: antes de findo o prazo de 60 meses, contados a partir da data de certificação, o profissional deve requerer junto ao OCP o exame de recertificação.

Recertificação

Primeira recertificação Após conclusão do período de 60 meses da validade da certificação, esta pode ser renovada pelo OCP (Organismo de Certificação Pessoal), por igual período, após o inspetor de soldagem completar, com sucesso, o exame simplificado.

EXAME SIMPLIFICADO PARA NÍVEL 1

O exame simplificado para inspetor de soldagem nível 1 é composto de três provas, sendo duas obrigatórias e uma aleatória. As provas obrigatórias são:

  1. a) acompanhamento de soldagem;
  2. b) visual/dimensional.

A prova aleatória deve ser uma entre as abaixo relacionadas:

  1. a) consumíveis 1;
  2. b) documentos técnicos 1;
  3. c) tratamento térmico;
  4. d) dureza.

Segunda recertificação e subsequentes

Na segunda recertificação e subseqüentes, para o inspetor de soldagem que atender às condições de manutenção da certificação. O exame simplificado é composto de uma prova aleatória entre visual/dimensional, documentos técnicos 1 ou tratamento térmico.

Nota: Após a 1ª recertificação caso a comprovação de atuação no período correspondente à validade do certificado seja superior a 15 meses, porém inferior a 30 meses, o inspetor de soldagem deve realizar o exame simplificado completo.

Instruções gerais

Cabe ao inspetor de soldagem solicitar o exame simplificado. É recomendado que a requisição seja realizada com no mínimo 180 dias de antecedência do término da validade da certificação.

 Atribuições do inspetor de soldagem N1

Conforme a Norma Brasileira NBR 14842, o Inspetor de Soldagem N1 é um profissional qualificado que garante o cumprimento de procedimentos de soldagem qualificados e a qualidade da solda. Entre suas atribuições estão:

Acompanhar a execução e a conformidade com a quantidade especificada;

Verificar os resultados dos ensaios não-destrutivos;

Verificar se os ensaios não-destrutivos foram executados por pessoal qualificado, procedimento aprovado e na extensão requerida;

Determinar a dureza por meio de medidores portáteis;

Verificar os soldadores/operadores de soldagem quanto:

  1. a) Verificar se somente soldadores/operadores de soldagem qualificados e certificados estão sendo utilizados, se a qualificação desses os autoriza a executar o serviço e se não expirou o prazo de validade da qualificação, de acordo com instruções ou documentos de registro;
  2. b) Verificar a atuação dos soldadores/operadores de soldagem na execução dos serviços e solicitar, quando necessário, nova qualificação.

Quanto ao material de base:

Verificar, por comparação entre marcações no material e documentos aplicáveis, se o material de base é o especificado;

Quanto a verificação dos consumíveis:

Verificar, por comparação entre marcações e documentos aplicáveis, ensaio visual e controle dimensional, se o consumível é o especificado e encontra-se em condições de uso;

Verificar se o armazenamento, manuseio, ressecagem e manutenção da ressecagem do consumível estão corretos, de acordo com as instruções do fabricante do consumível ou outros documentos aplicáveis.

Quanto a inspeção de equipamentos de soldagem:

Verificar se os procedimentos e as instruções estão disponíveis aos soldadores/operadores de soldagem para referência, se estão sendo empregados na soldagem e se somente procedimentos especificados e qualificados, quando necessários, são usados para cada serviço;

Verificar se as dimensões, ajustagem e preparação das juntas estão de acordo com os procedimentos de soldagem, as instruções de fabricação e/ou execução, e os desenhos;

Verificar a adequação para execução do serviço, considerando as condições físicas e ambientais;

Verificar se o preaquecimento, quando necessário, está sendo efetuado e se está de acordo com os procedimentos de soldagem e as instruções de fabricação e/ou execução;

Verificar se as condições de proteção individual e coletiva no que concerne à soldagem estão sendo atendidas.

Quanto a inspeção durante a soldagem:

Verificar se a soldagem está sendo conduzida de acordo com os procedimentos de soldagem e com as instruções de fabricação e/ou execução, enfatizando a sequência de soldagem, os requisitos de limpeza e o controle de deformações;

Verificar se o controle da temperatura entre passes, quando necessário, está sendo aplicado e se está de acordo com os procedimentos de soldagem e as instruções de fabricação e/ou execução.

Quanto a inspeção após soldagem:

Verificar se o pós-aquecimento, quando necessário, está sendo efetuado e se está de acordo com as instruções de fabricação e/ou execução;

Executar ensaio visual e controle dimensional da solda completa, de acordo com as instruções de fabricação e/ou execução e os desenhos;

Quanto aos ensaios não-destrutivos

Verificar se os ensaios foram executados por pessoal qualificado, procedimento aprovado e na extensão requerida, de acordo com as instruções de fabricação e/ou execução;

verificar e analisar, através de relatórios, os resultados dos ensaios não-destrutivos dos serviços de soldagem sob sua responsabilidade, com o objetivo de retroalimentar as operações de soldagem para evitar a reocorrência das descontinuidades detectadas pelos ensaios não-destrutivos.

Quanto aos ensaio de dureza:

Executar quando necessário, medições de dureza por meio de aparelhos portáteis.

Quanto tratamento térmico após soldagem:

Verificar, antes de proceder ao tratamento térmico, se as peças ou equipamentos foram aprovados nos ensaios não destrutivos;

Verificar se o tratamento térmico, quando necessário, está sendo conduzido de acordo com os procedimentos de tratamento térmico e as instruções de fabricação e/ou execução;

Quanto ao reparo de solda:

Verificar se as marcações de reparo de solda estão de acordo com os laudos emitidos;

Verificar se a soldagem e/ou outros métodos de reparo estão de acordo com os procedimentos de soldagem e as instruções de fabricação e/ou execução.

Quanto ao registro de resultados

Registrar resultados, relatar não-conformidades e controlar e registrar o desempenho dos soldadores/operadores de soldagem, através de procedimentos estabelecidos;

Registrar os ensaios testemunhados na qualificação de procedimentos de soldagem, de soldadores/operadores de soldagem e as condições de preparação e execução de peças de teste e peças de teste de produção;

Referencia

  1. TWI TRAINING AND EXAMINATION WORLD WIDE, EWF/IIW WELDING DIPLOMA, 2013.
  2. AWS WELDING INSPECTOR BODY OF KNOWLEDGE, 2015.
  3. IVO STEFFEN, RAIMUNDO BRÍGIDO AND LUCIENNE FREIRE, CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS, ‘’RELATOS DE ALGUMAS EXPERIÊNCIAS BRASILEIRAS”, 2002.
  4. INBRAEP, CURSO NR 13 VASO DE PRESSÃO ON LINE, 2014, Disponível em: http://inbraep.com.br/curso-nr13-vasos.php?gclid=CjwKEAjwrvq9BRD5gLyrufTqg0YSJACcuF81CnYAM2ysLuXZoxxaKH–LV5OkXXRKZKwPNvxM9EBoCsxzw_wcB>. Acesso em: 30 de Agosto. 2016
  5. IAB 002 EWF 409, MINIMUM REQUIREMENTS FOR THE EDUCATION, TRAINING , EXAMINATION, AND QUALIFICATION OF PERSONNEL, REV1, 2000.
  6. IAB 252, IIW GUIDLINE FOR INTERNATIONAL WELDING ENGINEERS, TECHNOLOGIST, SPECIALISTS AND PRACTITIONERS, 2014.
  7. INMETRO, PORTARIA 248, REGULAMENTO TÉCNICO DE QUALIDADE PARA CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO DE PRODUÇÃO SERIADA, 2014.
  8. ABENDE, DC-001, ENSAIO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS, REV10, 2004.
  9. INMETRO, PORTARIA 16, REQUISITOS PARA SERVIÇOS PRÓPRIO DE INSPEÇÃO DE EQUIPAMENTOS-SPIE, 2001.
  10. COTEQ, MANUEL J. DE CASTRO LOURENÇO, MARCELO MACIEL PEREIRA, MAURÍCIO SALDANHA MOTTA, 6ª CONFERENCIA SOBRE TECNOLOGIA DE EQUIPAMENTOS, 2002.
  11. ABNT, NBR 14842, CRITÉRIOS PARA A QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE INSPETORES DE SOLDAGEM, 2003.
  12. NORMA FBTS N-008, CRITÉRIOS PARA A QUALIFICAÇÃO E A CERTIFICAÇÃO DE SUPERVISORES E ENCARREGADOS DE SOLDAGEM,REV00, 2015.
  13. NORMA FBTS N-007, CRITÉRIOS PARA A QUALIFICAÇÃO E A CERTIFICAÇÃO PARA ENGENHEIRO E TECNÓLOGO ESPECIALISTAS EM SOLDAGEM, REV01, 2013.
  14. CONTEQ N-2688, TESTE DE PRESSÃO EM SERVIÇO DE VASO DE PRESSÃO E CALDEIRAS, REV.B, 2014
  15. ABS-ANB, DANIEL ALMEIDA E VLADIMIR PONOMAROV, O QUE DIZEM AS NORMAS SOBRE COORDENADORES DE SOLDAGEM.
  16. ELECTRA, FICHA TÉCNICA DE CURSO DE QUALIFICAÇÃO, SOLDADOR DE ELETRODO REVESTIDO.
  17. INSTITUTO MONITOR, CARREIRA DO SOLDADOR, Disponível em:< http://www.institutomonitor.com.br/profissao-soldador.aspx?cod_curso=SOLM>. Acesso em: 27 de Set.2016.
  18. CATHO, PROFISSÃO SOLDADOR, Disponível em:< http://www.catho.com.br/profissoes/soldador/>. Acesso em: 27 de Set.2016.
  19. OCUPAÇÕES, SOLDADOR, Disponível em:< http://www.ocupacoes.com.br/cbo-mte/724315-soldador>. Acesso em: 27 de Set.2016.

Acesse: www.infosolda.com.br

Share.

About Author

Leave A Reply