Corte a plasma garante rapidez e qualidade às oficinas 

0

Tecnologia também possibilita a remoção de parafusos enferrujados e pontos de solda

Corte a plasma: tecnologia está sendo descoberta pelas oficinas brasileiras

Consolidado nos EUA, o corte a plasma ainda está sendo descoberto pelas oficinas brasileiras, sejam as especializadas em reparos de funilaria ou as dedicadas exclusivamente à customização automotiva. “As possibilidades oferecidas por essa tecnologia garantem aos usuários muito mais rapidez, qualidade e segurança em todos os seus serviços de corte de materiais metálicos”, afirma Felipe Madi, gerente de vendas da Hypertherm, referência global em sistemas de plasma.

Nos segmentos de reparo e customização, as principais aplicações do plasma incluem o corte de peças da carroceria, fabricação de novos componentes ou seções e remoção de parafusos e porcas enferrujadas, além da preparação de superfícies danificadas para a soldagem.

Em comparação com o oxicorte (maçarico) e os métodos abrasivos (lixadeira), tecnologias predominantes nas oficinas brasileiras, os sistemas a plasma são até três vezes mais rápidos no corte de, por exemplo, chapas de 3 mm (1/8”), as mais comuns em aplicações automotivas. “Esse resultado é obtido com o nosso modelo Powermax30 XP”, observa Madi. O plasma ainda é mais econômico, possibilita o corte reto ou curvo com excelente qualidade e torna o ambiente de trabalho mais seguro, pois usa apenas ar comprimido – o oxicorte, por sua vez, requer a utilização de gases altamente inflamáveis, como o acetileno.

“Os sistemas a plasma também são caracterizados pela mínima dependência do operador e pela possibilidade de efetuar a goivagem de precisão, ou seja, de cortar e remover pontos de solda, o que é muito interessante para as oficinas. Em termos de métodos de corte, separação e marcação de metal, não existe atualmente uma tecnologia com melhor custo-benefício do que essa”, resume.

Especializada na restauração de automóveis antigos – originais e Hot Rods –, a Hot Company Brasil (HCB) é usuária dos sistemas a plasma da Hypertherm desde 2014. “Hoje em dia, utilizamos essa tecnologia em todos os nossos processos de corte. E, sem dúvida, estaríamos usando há muito mais tempo se tivéssemos conhecido o plasma quando iniciamos as nossas atividades”, afirma Alexandre Benevides, proprietário.

Acesse  http://response.hypertherm.com/reparoautomotivo

Share.

About Author

Leave A Reply