Dificuldades não inibem investimentos

Pinterest LinkedIn Tumblr +
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Um estudo da Anfavea mostra a evolução da indústria automotiva na década passada, que esteve recheada de obstáculos para o setor

Por Ricardo Torrico

No início de fevereiro, a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) apresentou um estudo que mostra a evolução da indústria, dos produtos e do mercado automotivo na década passada. O período se caracterizou pela contínua oscilação de seus indicadores, com destaque para o principal deles, a produção. Em 2010, o setor produziu 3,38 milhões de veículos, atingiu o pico de 3,71 milhões em 2013. A partir de daí caiu até 2,18 milhões, em 2016, recuperando-se parcialmente até 2019, quando produziu 2,94 milhões de unidades – ou seja, uma queda de 13% entre os dois extremos. O estudo também registra que o setor conseguiu manter parcialmente o seu nível de emprego: começou a década com 118 mil e terminou com 107 mil pessoas empregadas – uma redução de 9%.

Outro dado importante é que, entre 2010 e 2019, oito novas marcas iniciaram sua produção e 17 novas fábricas foram inauguradas no País. Assim, neste ano, o setor conta com 67 fábricas, localizadas em 10 estados. O total de veículos exportados durante toda a década foi de 5,2 milhões, começando com 730 mil e terminando com 408 mil. O principal mercado externo dos veículos brasileiros tem sido a Argentina, responsável por 63% das exportações em 2010 e 49% em 2019.

Recursos de fora

Segundo os números registrados no Banco Central, sem o socorro das matrizes, muitas montadoras poderiam sucumbir à longa recessão da segunda parte dos anos 2010. No total, houve um ingresso líquido de US$ 24,1 bilhões, que foram investidos em produtos, tecnologias e modernizações. “Os anos 2010 foram um teste sem precedentes à resiliência da indústria automotiva nacional, e a década de 2020 dá todos os sinais de que será a mais disruptiva na história do nosso setor e da mobilidade. Vale ressaltar que as montadoras absorveram a queda de produção tentando preservar os empregos em nossas fábricas na medida do possível. A redução das vagas em nosso setor foi muito menor do que o tombo do mercado”, afirma o presidente da Anfavea, Luiz Carlos Moraes.

Novos desafios

Além de uma grande recessão, a indústria nacional enfrentou desafios comuns a todo o setor automotivo global, que é a mudança dos hábitos de consumo e mobilidade. De acordo com levantamento da Anfavea, o Brasil já tem 253 aplicativos de transporte, fenômeno que impacta a forma de venda de veículos. Um exemplo dessas mudanças são as vendas diretas, que pouco sofreram nos anos de depressão do mercado e hoje representam 37% dos licenciamentos de veículos leves no País, excluídas daí as vendas PcD (Pessoas com Deficiência), uma venda varejo com isenções, que por lei é considerada uma espécie de faturamento direto. Entre os vários segmentos de venda direta, as locadoras lideram com quase 20% do mercado total. “Várias empresas terceirizam suas frotas, muitos motoristas de aplicativos usam carros de locadoras, e assim esse canal de vendas torna-se fundamental para o setor automotivo”, explica o presidente da Anfavea.

Na visão de Moraes, a década conturbada que passou deixa várias lições para que a indústria e o Brasil enfrentem os grandes desafios dos próximos 10 anos. “Há muito espaço para melhorar as formas de financiamento de veículos, aumentar a competitividade, ampliar as exportações e explorar o potencial criativo da indústria instalada no País. Só assim cresceremos de forma consistente, sustentável, gerando empregos de qualidade e surfando nas novas tendências de mobilidade conectada”, resume o presidente da Anfavea.

Projeções

A Anfavea prevê que, este ano, o setor deve produzir 3,160 milhões de veículos, o que significa um aumento de 7,3% sobre os 2,945 milhões produzidos em 2019. Já as exportações devem cair 11,0%, passando do total de 428 mil veículos exportados em 2019 para 381 mil, este ano. A entidade atribui essa provável queda, principalmente, à redução das exportações à Argentina, provocada pela crise que o país vizinho enfrenta.

SALÃO DO AUTOMÓVEL É ADIADO PARA 2021

No dia 6 de março, a Anfavea e a Reed Alcântara Machado comunicaram o adiamento da edição deste ano do Salão do Automóvel de São Paulo para 2021. O presidente da entidade, Luiz Carlos Moraes, destacou que “o Salão do Automóvel é um evento que precisa evoluir e refletir o momento de disrupção tecnológica que nossa indústria está vivendo. Em conjunto com a Reed, tomamos a decisão de adiar a edição do Salão de 2020 para reduzir custos e termos tempo de avaliar novos formatos. A revisão do Salão não é um movimento localizado, mas está acontecendo em todos os países do mundo, pelos mesmos motivos.”

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.
Share.

About Author

Leave A Reply